Tratamento do câncer de pulmão ganha avanço importante

Publicado por: Miken
24/12/2022 05:36 PM
Exibições: 96

Novo estudo da Edith Cowan University descobriu como tornar a imunoterapia mais eficaz

 

Há um reforço de esperança para as pessoas, ou que virão a sofrer, de cancro de pulmão.

 

O câncer de pulmão é o que causa mais mortes: 1.8 milhões no planeta. Mas os tratamentos têm melhorado nos últimos anos, têm sido mais eficazes.

 

A base do combate é a imunoterapia. Mas há risco considerável (74% dos casos) de efeitos secundários graves para os doentes.


Um em cada cinco doentes que passam por imunoterapia arrisca ter problemas eternos na pele, no intestino ou no fígado.

 

A imunoterapia é interrompida muitas vezes por causa desses efeitos secundários – e assim aumenta o risco de propagação do câncer.

 

No entanto, quem passa por esses efeitos secundários também apresenta melhorias mais evidentes.

 

Um estudo da Edith Cowan University descobriu como tornar a imunoterapia mais eficaz.

 

O portal The Brighter Side of News  começa por deixar a explicação: a imunoterapia liberta o sistema imunológico para reconhecer e matar as células cancerígenas.

 

Mas, disse Wook, uma das autoras do estudo, a imunoterapia também pode libertar as células do sistema imunológico para atacar o corpo, causando toxicidades.

 

“A nossa pesquisa mostra pela primeira vez que certas características genéticas predispõem pacientes com cancro a desenvolver efeitos colaterais ou toxicidades à terapia anti-cancro. Saber disso permitirá aos médicos melhorar o tratamento dado aos pacientes”, explicou.

 

HLA
Antígenos leucocitários humanos (HLA): este é o fator essencial neste estudo. Os marcadores encontrados na maioria das células do corpo.

 

O sistema imunológico usa HLA para determinar que células pertencem – e não pertencem – ao seu corpo e fazem parte do sistema de alarme que detecta vírus, infecções – e câncer.

 

Foram examinados HLA de 179 pacientes com cancro de pulmão, de células não pequenas.

 

A equipe encontrou uma forte ligação entre a composição genética dos HLA e a probabilidade de a pessoa desenvolver efeitos secundários da imunoterapia.

 

O líder do estudo, Afaf Abed, disse que esta descoberta beneficiaria todos os pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas, independentemente de serem geneticamente predispostos a reações adversas à imunoterapia, ou não.


“Se um paciente não corre risco de efeitos secundários, os médicos podem acelerar o tratamento e ser mais agressivos no combate à doença”, continuou.

 

“Se correm um risco maior, os médicos podem facilitar o tratamento, monitorizá-lo e intervir antes que os pacientes desenvolvam toxicidade de grau 3 ou 4. De qualquer forma, os biomarcadores que prevêem o risco desses eventos adversos imunomediados entre os pacientes podem reduzir os riscos associados a esses tratamentos”.

Com informações do Planeta ZAP

Imagem: National Câncer Institute

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Categorias:
Tags: