Câncer não é uma sentença de morte se souber se cuidar

Publicado por: Miken
08/12/2022 07:35 PM
Exibições: 82
Exercícios aeróbicos reduzem o risco de metástases/Cortesia Editorial Pixabay
Exercícios aeróbicos reduzem o risco de metástases/Cortesia Editorial Pixabay

Mais do que você pensou. Médicos israelenses descobriram como exercícios físicos reduzem o risco de complicações no câncer

 

Depois de estudar os dados de 623.405 pacientes com tumores malignos, os cientistas notaram uma diferença significativa no número de casos de metástase entre os que se exercitavam com frequência e os que levavam um estilo de vida sedentário.

 

O professor Carmit Levy e seus colegas realizaram pesquisas para descobrir como os músculos afetam o desenvolvimento e a progressão do câncer. Eles conduziram dois estudos, o primeiro envolvendo pessoas com câncer e o segundo com pessoas saudáveis. Entre estes últimos, não foi encontrada correlação entre a ocorrência de processos malignos e o estilo de vida. Mas entre aqueles que foram diagnosticados com câncer, uma coisa interessante foi revelada.

 

Nesse grupo, o risco de metástases de câncer entre aqueles que praticavam exercícios aeróbicos regularmente foi 72% menor do que entre aqueles que não dedicavam tempo ao cardio.

 

Como resultado do estudo , também foi possível determinar o mecanismo do efeito preventivo dos exercícios. Eles descobriram que a atividade física aumenta a absorção de glicose pelos órgãos internos, o que significa que menos energia é necessária para o crescimento do tumor.

 

O trabalho dos cientistas israelenses já atraiu a atenção de seus colegas de todo o mundo.

 

Dr. Adrian Christian, chefe de reabilitação do câncer no Miami Cancer Institute, explicou que com este estudo, a ciência provou que o exercício causa mudanças no microambiente das células cancerígenas, impedindo efetivamente o progresso do processo maligno e, assim, protegendo o corpo.

 

Anteriormente, a NV Health escreveu sobre como uma mulher que teve câncer 12 vezes foi encontrada na Espanha.

 

Um distúrbio raro em ambas as cópias do gene MAD1L1 fez com que 30-40% das células sanguíneas de uma mulher espanhola de 36 anos tivessem um número anormal de cromossomos.

 

Informação legal. Este artigo contém informações gerais de caráter de referência e não deve ser considerado como uma alternativa às recomendações de um médico. Este veículo não se responsabiliza por qualquer diagnóstico feito pelo leitor com base nos materiais do site. Este veículo também não é responsável pelo conteúdo de outros recursos da Internet, cujos links estão presentes neste artigo. Se você está preocupado com sua saúde, consulte um médico.

 

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Categorias:
Tags: